• EN
  • 17 de janeiro de 2014

    Redação Inhotim


    artebotânicaeducaçãoprogramação culturaltamboril

    Leitura: 6 min

    Meu dia no Inhotim

    Meu dia no Inhotim

    Quando eu fiquei sabendo que vinha no Inhotim já fiquei animado. Nem sabia direito o que era não, mas o Vitor falou que era super legal e tinha muito espaço para brincar. O Vitor já veio aqui uma vez.  Eu e o Artur nunca. Bom, logo que a gente chegou no estacionamento e veio andando para entrar no parque, eu já fiquei animado com aquele caminho gigante, coberto de árvores. Quando o moço colocou o adesivo de visitante na nossa blusa, ficamos sabendo que tinha umas brincadeiras especiais para as crianças durante o dia. Quando chegamos lá, disseram que teria um caça ao tesouro. Então eles dividiram as crianças. Os meninos pequenininhos foram pra um lado para fazer outras brincadeiras, e nós, maiores, reunimos para começar o caça ao tesouro.

    Eram dois times, cada um tinha que achar todas as pistas pra descobrir qual era a surpresa que tinha no final. Os monitores iam ajudando a gente a resolver as charadas.  Começamos a correr para achar as pistas bem rápido. Foram cinco pistas. Elas tinham bilhetes que falavam como achar o tal tesouro. Cada uma dizia pra gente ir pro norte, nordeste, noroeste…todos os caminhos. Das cinco eu achei três sozinho. Fui bem esperto. Estavam no meio do mato, amarradas nas plantas. Era só ir passando a mão e olhar bem que você achava. Algumas pistas deram muito cansaço, porque a gente tinha que correr e procurar muito. Depois que descobrimos tudo, viemos buscar o tesouro, que eram sementes da árvore Tamboril, essa grandona aqui atrás.

    Depois de tudo isso, fomos visitar o parque todo. Não sabia direito o que eu ia encontrar. Quando eu cheguei, imaginei que ia ver arte, animais, várias árvores que eu nunca conheci. O Artur queria mesmo é conhecer o Saci e a história dele. Disseram pra ele que aqui ele ia ver aqui. Ah, o Vitor disse também que tinha uma árvore aqui que anda a cada mês que passa. Eu não acredito muito. Se ela saísse andando eu ia assustar muito. Mas uma coisa que a gente fez foi andar. Andamos, andamos, andamos…minha perna até doeu no final.

    Meu dia no Inhotim - Colônia de férias Artur (6), Vitor (10) e Eduardo (10) aproveitaram o dia de visita no Inhotim Foto: Rossana Magri

     

     

    De tudo o que eu gostei mais foi da Cosmococa. A gente entrou lá e tinha cinco salas: uma de balão, uma de espuma, outra de piscina, uma com algumas redes e uma que passa uns filmes. A gente até nadou na piscina. Eu e o Artur nadamos de bermuda. Como o Vitor já veio aqui e sabia que tinha piscina, ele nadou de sunga. Além disso, a gente andou por um tanto de lugar legal e vimos um bocado de flor diferente, tipo cactos e calda de peixe.  Passamos em uma sala que o chão é cheio de caco de vidro, fomos a outra sala toda escura, vimos a bola de choque também. Fiquei morrendo de medo da água cair em mim e eu tomar um choque!

    Mas eu achei uma coisa muito estranha: a água das lagoas é verde! Como que eles fazem pra deixar a água daquele jeito? Outra coisa: naquela sala azul, de azulejos, que a parede foi pintada de órgãos humanos por dentro, como eles fizeram aquilo? E a piscina rasa que fica na entrada desse prédio, pode entrar ou é proibido? Outra coisa diferente que eu vi foi uma escultura de um homem emendado no outro. Achei meio louco e até tiramos fotos tentando imitar eles.

    No final, até vimos a casa do Saci, mas não conseguimos ver ele como o Artur queria. A gente não tinha os materiais que precisavam para fazer ele aparecer, e as monitoras não estavam na hora para ajudar. Mas eu achei o Inhotim muito bonito. As artes, o ambiente, tudo foi feito com muito cuidado, né?  No começo eu estranhei, porque eu nunca tinha visto um lugar grande assim. Mas agora que eu sei como é, e quero voltar.  Eu ainda não consegui ver tudo, como por exemplo, uma sala que é toda vermelha. Gostei muito!

    Depoimento de Eduardo Soares , 10 anos, sobre o seu dia de visita no Inhotim

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    26 de novembro de 2013

    Redação Inhotim


    botânicaeducação

    Leitura: 2 min

    Jardim de borboletas

    Jardim de borboletas

    Elas estão sempre por lá. Passeiam tranquilas pelo Inhotim, descansando entre plantas e obras de arte. Dos mais diversos formatos e cores, as borboletas que habitam o Parque não estão ali por acaso: elas são sinal de que, no Instituto, a natureza e o homem convivem em harmonia.

    As borboletas são bioindicadores naturais de qualidade ambiental, por serem sensíveis a pequenas mudanças do ecossistema. Por isso é tão raro vê-las em centros urbanos. Aqui no Inhotim, até hoje já foram identificadas 166 espécies diferentes vivendo no jardim botânico, deixando os caminhos ainda mais coloridos.

    Considerado Jardim Botânico desde 2010, além de manter variadas coleções de plantas, o Inhotim desenvolve pesquisas botânicas em seu meio ambiente, uma delas tem como foco sua comunidade de borboletas. Pesquisadores do Setor de Gestão Ambiental do Instituto, em parceria com o Centro Universitário UNA, de Belo Horizonte, vêm realizando esse levantamento desde maio de 2012, no intuito de mapear as espécies frugívoras (que se alimentam de frutos em decomposição, sais minerais e fezes) e nectarívoras (que consomem néctar das flores e pólen) da área de visitação do Inhotim.

    Além de contemplar o voo das borboletas pelo Parque, você também pode ir à Estação Educativa para Visitantes e conhecer a coleção didática de borboletas, todas capturadas no próprio Inhotim.

    Viva a biodiversidade!

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    Página 15 de 15« Primeira...1112131415