• EN
  • 17 de maio de 2018

    Luana Campos

    Assistente do programa Amigos do Inhotim


    botânicaeducaçãoinhotim

    Leitura: 6 min

    Amigos do Inhotim participam de imersão nos jardins do Parque

    Amigos do Inhotim participam de imersão nos jardins do Parque

    O último sábado (12/5) foi de aprendizado e descobertas para quem participou da visita Pelos Jardins do Inhotim, mediada pelo engenheiro agrônomo do Instituto, Juliano Borin. Desta vez, a atividade contou com a presença especial de doze Amigos do Inhotim, que tiveram a chance de conhecer a fundo os destaques botânicos do acervo, além de bastidores dos jardins e detalhes sobre a dinâmica de trabalho da equipe ambiental.

    No começo da visita, Juliano pediu para que cada pessoa se apresentasse e contasse um pouco sobre sua relação com as plantas e com os jardins. Alguns conheciam os termos técnicos e as várias espécies presentes no Parque. Outros admiravam com curiosidade e confessaram ter pouco conhecimento sobre o universo botânico. Depois dessa breve roda de conversa, já era hora de começar a caminhar pelos espaços do Inhotim e ouvir sobre as particularidades das plantinhas semeadas nessas terras.

    Saber que o Inhotim possui uma coleção de milhares de monocotiledôneas (nome já familiar nesse momento da visita, que se refere ao grupo que inclui as palmeiras) fascinou ainda mais quem estava ali. Cada espécie com sua especificidade e sua beleza, sobrevivendo aqui cercada de muita sensibilidade dos jardineiros e jardineiras, responsáveis por entender a necessidade de cada uma. Juliano aproveitou para explicar como a equipe trabalha, como se organizam para conseguir cuidar de tudo que floresce por aqui.

    Passando pelo inhame roxo, sentimos ali a presença do inverno chegando de fininho. Aquela textura aveludada, a cor forte e fechada, lembrava uma pele bem hidratada que remetia ao clima da estação. Assim que algumas gotas de água escorriam por sua folhagem, vimos que ela era impenetrável, a água batia e escorria com tanta sutileza que parecia até um tipo de magia. Ao meu redor, olhos atentos a cada descoberta.

    No grupo, também tinha gente bem pequena. Otávio, um garotinho esperto de seis anos que participou da visita, admirava com indagação o movimento da água e ao mesmo tempo não entendia muito bem. Ele quis tocar e quando colocou a mão, abriu um sorriso que ia de canto a canto, sentindo a textura e admirando a impermeabilidade das folhas.

    Seguimos a visita pelo caminho de pedras, onde as árvores formavam uma copa em direção ao Jardim Veredas, e lá vimos as famosas Vitórias-Régias, recém-chegadas ao Jardim. Entre quem participava do passeio, o palpite era de que se tratava de uma planta frágil e delicada. Estávamos enganados! Quando Juliano levantou a sua borda, vimos uma planta grossa e cheia de compartimentos de ar. Mais um aprendizado: a Vitória-Régia é uma espécie muito forte e chega a suportar até 40 kg – mais que o peso do pequeno Otávio.

    O dia já estava indo embora quando enfim chegamos ao Viveiro Educador, onde fica a Estufa Equatorial do Inhotim. Entramos em uma sala pequena antes da estufa e de imediato já sentimos o clima bem diferente, era úmido e ao mesmo tempo bastante quente. Um quadro nos chamou atenção, lembrava uma pintura com muitas texturas, de tons marrons claros e escuros. Foi aí que descobrimos se tratar de sementes misturadas ao iogurte natural, processo feito para secar as sementes que seguem para o plantio. Entramos na estufa e foi como se estivéssemos em uma selva. O lugar era especialmente feito para forjar o clima da mata atlântica (da Amazônia), propício para o desenvolvimento de várias espécies. Vimos de perto vários tipos de raízes – algumas pareciam cabelo, de tão finas, outras eram cheias de cor. A natureza é mesmo muito diversa!

    A visita passou num piscar de olhos. Fomos embora com a sensação de que há muito ainda para conhecer nos Jardins do Inhotim, um lugar em Minas Gerais que guarda um pouco de natureza vindo de várias partes do mundo.

    foto_visita_lc

    Amigos do Inhotim
    O programa Amigos do Inhotim amplia as conexões do público com o Parque, promovendo a troca de conhecimentos e tornando a experiência no Inhotim ainda mais rica. O programa também dá direito a cortesias de entrada, descontos e outros benefícios. Além disso, o valor da adesão pode ser integralmente deduzido do Imposto de Renda. Confira aqui mais informações.

    Pelos Jardins do Inhotim
    As próximas visitas mediadas pelo Juliano Borin para qualquer visitante custam R$ 40 e acontecem nos dias 10 de junho, 15 de julho, 12 de agosto, 16 de setembro, 14 de outubro, 11 de novembro e 9 de dezembro a partir das 14h. As datas estão sujeitas à alteração.

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    14 de maio de 2018

    Redação Inhotim


    artebrumadinhocomunidadeeducação

    Leitura: 9 min

    Inhotim e Museu Muquifu se juntam para celebrar Semana Nacional dos Museus

    Inhotim e Museu Muquifu se juntam para celebrar Semana Nacional dos Museus

    O tema “Memória e Identidade” foi o escolhido para conduzir as atividades da Semana Nacional dos Museus, ação comandada pelo Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM) que acontece entre os dias 14 e 20 de maio. O assunto será abordado por uma rede de instituições culturais do país inteiro, incentivando a conexão entre elas e fortalecendo assuntos importantes dentro do contexto educativo desses lugares. Pensando em formas de levar isso até nossos visitantes, a equipe educativa do Inhotim se uniu ao Museus dos Quilombos e Favelas Urbanos (Muquifu), localizado na Zona Sul de Belo Horizonte, para pensar em atividades que incentivassem a troca de saberes entre eles.

    “Quando recebemos o tema, decidimos entrar em contato com o Muquifu pra fazer uma conexão que vai além da tecnologia, que fosse uma troca de conhecimento e de pessoas presentes. O Muquifu conta histórias dos quilombos e das favelas de Belo Horizonte, e isso converge com o Inhotim, que também tem uma troca intensa com a comunidade ao redor, com os quilombos e com Brumadinho. Entender como essas relações podem ser fortalecidas é essencial”, explica Lidiane Arantes, supervisora de educação do Inhotim.

    As atividades no Inhotim foram organizadas pela equipe do Educativo, que convida os visitantes a resgatarem as suas recordações a partir de experiências com os acervos artístico, botânico e histórico-cultural do Inhotim e por meio de objetos, textos e outras ferramentas educativas. Dentro da programação estão as ativações da Biblioteca Inhotim e das obras Abre a Porta (2006) e Rodoviária de Brumadinho (2005), além de visitas temáticas nas quais serão abordados os temas memória e identidade. No Muquifu, localizado Belo Horizonte, também será realizada uma oficina para produção de máscaras – um elemento presente em diversas manifestações culturais brasileiras –, técnicas de confecção, modelagem e pintura. A atividade pretende estimular a reflexão do participante sobre identidade, memória e histórias compartilhadas.

    Confira a programação para a Semana de Museus no Inhotim e no Muquifu:

    – Roda de Conversa: Chás Quilombolas – Uso e suas Tradições
    O Educativo Inhotim e o Muquifu propõem uma ação de conectividade entre quilombos rurais e urbanos. Práticas e usos de plantas medicinais nos processos de cura e tratamento de enfermidades que são transmitidos de geração em geração, por meio da tradição oral, serão compartilhados em uma roda de conversa com representantes detentores dos saberes tradicionais das comunidades de Marinhos e do Muquifu. A roda de conversa será regada a chá quilombolas e contará com a participação do curador do Muquifu, Padre Mauro Silva, e mediação dos educadores do Inhotim.

    Quando: 16 de maio (quarta-feira)
    Publico: livre
    Horário: 14h às 16h
    Local: Espaço Igrejinha

    – Ativação dos Painéis da Galeria Praça: Tradições Culturais e Narrativas de Identidade em Diálogo
    O Inhotim agrega experiências às importantes tradições culturais da região que o cerca. Foi assim quando os painéis da Galeria Praça, dos artistas John Ahearn e Rigoberto Torres, foram elaborados e instalados a partir da imersão deles em Brumadinho e do envolvimento das pessoas da comunidade na construção e representação escultórica de narrativas da história local. Nesse processo, a identidade de cada um dosparticipantes se fez matéria da arte e passou a compor a história do próprio Instituto. A ativação das obras Abre a Porta (2006) e Rodoviária de Brumadinho (2005) propõe um diálogo que aproxima o passado do presente através da rememoração das histórias guardadas nesses trabalhos e do colecionamento de novas histórias. O convite é que os visitantes compartilhem parte de suas identidades, fazendo delas história do Inhotim também! A oralidade será a ferramenta fundamental dessa partilha e a experimentação das plataformas de vídeo e fotografia irão conectar os participantes.

    Quando: Terça e quinta
    Público: livre
    Horário: 14h às 16h
    Local: Galeria Praça – G3 no mapa

    – Ativação da Biblioteca Inhotim: Oficina de Representação Identitária em Máscaras
    A Biblioteca Inhotim oferece ao público a possibilidade de uma experiência similar à que os artistas John Ahearn e Rigoberto Torres proporcionaram às pessoas que estão representadas nos painéis da Galeria Praça. A partir de ataduras de gesso, ocorrerá uma oficina de construção e representação identitária que terá como resultado a feitura de uma máscara de cada um dos participantes. Todos os visitantes de Inhotim são convidados a participar e levar para casa uma representação de si mesmo. Durante o processo, conversaremos sobre temas como tradições culturais, patrimônios material e imaterial, identidade e memória. Você já pensou sobre como as culturas se formam e se transformam? Participe!

    Quando: 12 de maio (sábado)
    Publico: livre
    Horário: 14h às 16h
    Local: Biblioteca Inhotim (Centro de Educação e Cultura Burle Marx)

    – Documentário Hiperconexão – Inhotim e Muquifu
    O Educativo Inhotim, em parceria com o Muquifu, apresenta um documentário no qual os visitantes do Inhotim poderão acessar os acervos, histórias e memórias do Muquifu. Com intuito de aproximar as instituições museológicas, comunidades do entorno e visitantes o documentário será exibido na Estação Educativa a fim de promover conexões de saberes para além dos aparatos tecnológicos.

    Quando: 15 a 19 de maio (de terça a sábado)
    Horário: 10h às 16h (de terça à sexta-feira) e 10h às 17h (no sábado)
    Onde: Estação Educativa para Visitantes (Centro de Educação e Cultura Burle Marx)

    – Oficina Moldando Memórias
    A atividade será realizada no Muquifu, onde o público será convidado a produzir máscaras, um elemento presente em diversas manifestações culturais brasileiras. A oficina estimula a reflexão sobre a identidade única de cada participante, suas memórias e histórias compartilhadas. Além de despertar a imaginação e colocá-la em prática, os participantes aprenderão técnicas de confecção, modelagem e pintura.

    Quando: 18 de maio (sexta-feira)
    Horário: 14h às 16h30
    Público: livre
    Local: Muquifu – Museu dos Quilombos e Favelas Urbanos. Rua Santo Antônio do Monte, 708,
    Estrela, Belo Horizonte

    – Visita Temática – Memória e Identidade
    A Visita Temática “Memória e Identidade”, em conexão com a 16ª Semana dos Museus cujo tema é “Museus hiperconectados: novas abordagens, novos públicos”, propõe aos visitantes um resgate de recordações adormecidas que poderão ser ativadas a partir de experiências com os acervos artístico, botânico e histórico-cultural do Inhotim e através de objetos, textos e outras ferramentas educativas. A visita convida os participantes a compartilharem suas lembranças e a descobrirem curiosidades sobre a memória do Inhotim.

    Quando: Quarta, sábado e domingo
    Horário: 10h30
    Duração: 90min
    Local: saída da Recepção
    Público: livre
    Observação: 25 vagas, inscrição no local a partir das 10h

    Compre seu ingresso online e evite filas! 

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    06 de abril de 2018

    Redação Inhotim


    artearte contemporâneaeducaçãoinhotim

    Leitura: 6 min

    Amigos do Inhotim podem deduzir valor do Imposto de Renda

    Amigos do Inhotim podem deduzir valor do Imposto de Renda

    Ser um Amigo do Inhotim é uma forma de se aproximar de tudo o que acontece por aqui e ainda ajudar na manutenção e na sustentabilidade do Instituto. Quando uma pessoa se torna Amiga, ela pode escolher entre as categorias Jovem, Idoso, Família, Benfeitor, Benfeitor Master e Mecenas, de acordo com a quantia com que deseja contribuir. Cada categoria oferece uma série de benefícios exclusivos para serem usados ao longo do ano. Outra informação importante para quem deseja se tornar Amigo e para quem já se tornou é a possibilidade de deduzir o valor pago no Imposto de Renda. Confira abaixo as dúvidas mais frequentes:

    Como usar seu impoto de renda para apoiar o Inhotim?
    Ao efetivar sua participação, o Amigo recebe um Recibo de Mecenato com todos os dados que devem constar em sua declaração anual.

    O que é o benefício fiscal de Incentivo à cultura?
    Com o objetivo de incentivar as atividades culturais, a União faculta às pessoas físicas a opção pela aplicação de parcelas do Imposto sobre a Renda a título de doações, para apoio direto a projetos culturais apresentados por pessoas físicas ou por pessoas jurídicas de natureza cultural, de caráter privado. Os contribuintes poderão deduzir do Imposto de Renda devido as quantias efetivamente despendidas nos projetos previamente aprovados pelo Ministério da Cultura, nos limites e condições estabelecidos na legislação do imposto de renda vigente, na forma de doações e patrocínios. Dessa forma, nos termos do artigo 18 da Lei Rouanet – Lei Federal de Incentivo à Cultura, o Plano Anual de Atividades e Manutenção do Instituto Inhotim, aprovado pelo Ministério da Cultura, permite que pessoas físicas direcionem parte do seu Imposto de Renda devido para manutenção desse projeto cultural.

    Existe um limite de doação com dedução no Imposto de Renda?
    Sim, para pessoas físicas o limite de dedução é de 6% do imposto apurado. E o valor da doação poderá ser deduzido na declaração de ajuste anual do exercício financeiro subsequente ao da doação.
    O valor que ultrapassar o limite de dedutibilidade mencionado não pode ser deduzido nas declarações posteriores, inclusive no caso de projetos culturais de execução plurianual.

    Por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, pessoas físicas podem deduzir até 100% do valor doado, com o teto de 6% do valor apurado na declaração. Siga o passo a passo abaixo:
    01 – Faça o download do programa encontrado no site da Receita Federal.
    02 – Na tela inicial, informe se quer importar Dados do IRPF ou se deseja criar uma nova declaração.
    03 – Após digitar os dados necessários para realizar sua declaração, escolha a opção “Doações Efetuadas”, na aba à esquerda.
    04 – Ao abrir a página de Doações, clique em “Novo”, no final da tela.
    05 – Na nova janela, escolha a opção “41 – Incentivo à cultura.”.
    06 – Em “Nome do Produtor-Fundo Nacional da Cultura” escreva: “Instituto Inhotim”.
    07 – Em “CPF/CNPJ do produtor/CNPJ do Fundo Nacional da Cultura” escreva: “05422243000131”.
    08 – Em “Valor”, digite o mesmo valor que se encontra em seu Recibo de Mecenato, ou seja, o valor doado.
    09 – Ao apertar Enter, aparecerá um quadro com uma coluna titulada “Valor Passível de Dedução R$”, no final desse quadro, em total desse item, aparecerá o valor que poderá ser deduzido, de acordo com o seu IR apurado. Guarde esse valor e aperte Ok.
    10 – Em “Parcela não dedutível”, informe o valor da doação diminuído do valor encontrado em “Valor Passível de Dedução”, mostrado acima (Doação-Valor Passível de Doação).
    11 – No final da aba à esquerda, há a opção de marcar a “Opção pela Declaração”; para deduzir a doação, deixe a primeira opção marcada: “Por Deduções Legais”.

    Transparência
    O Inhotim é uma organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP) sem fins lucrativos, tendo cerca de 70% dos recursos necessários para sustentabilidade vindos de patrocínios, convênios e doações como as do programa Amigos do Inhotim – atualmente, os recursos vindos da bilheteria e de serviços para visitantes representam apenas 30% do valor total necessário. Dessa forma, a quantia arrecadada com o programa é direcionada para tornar possível a manutenção diária dos jardins e galerias, além dos restauros em obra de arte, projetos educativos e da programação cultural.

    Para fazer dessa relação entre Amigos e Inhotim cada vez mais forte e próxima, oferecemos conteúdos e visitas mediadas exclusivos, além de facilidades para que os integrantes estejam sempre por dentro do que acontece aqui, participando e nos ajudando a construir novas ideias e projetos.

    Se quiser saber mais detalhes sobre o programa, acesse nossa página ApoieCaso a sua dúvida não seja esclarecida, entre em contato: +55 (31) 3571-9717 ou amigos@inhotim.org.br.

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    28 de fevereiro de 2018

    Redação Inhotim


    artecomunidadeeducaçãoinhotim

    Leitura: 5 min

    Em março, uma entrada vale por duas no Inhotim

    Em março, uma entrada vale por duas no Inhotim

    Quer trazer aquela pessoa querida para visitar ou revisitar o Inhotim com você? De 1º de março a 1º de abril, uma entrada valerá por duas por aqui. Aproveite a oportunidade para planejar uma viagem com as suas melhores companhias. O Inhotim segue funcionando de terça a sexta das 9h30 às 16h30 e nos finais de semana e feriados de 9h30 às 17h30.

    A inteira custa R$ 44 e quem for fazer a compra online deverá incluir no carrinho de compras apenas metade dos ingressos que iria comprar a princípio. Na bilheteria do Inhotim, ao apresentar o voucher da compra de 1 ingresso, você receberá duas entradas válidas para o dia. Confira a programação do mês de março para se programar. Informamos que a entrada na quarta-feira continua sendo gratuita.

    Febre amarela
    Observando a recorrência de febre amarela em Minas Gerais, está sendo solicitado ao visitante que apresente o comprovante de vacina contra a doença. Só terão acesso às dependências do Instituto aqueles que comprovarem que foram vacinados há, no mínimo, 10 dias. Caso você tenha certeza de que já se vacinou, mas tenha esquecido o cartão, poderá entrar após a assinatura de um termo de responsabilidade garantindo que já se imunizou.

    Como chegar
    O Inhotim está localizado em Brumadinho (MG), a cerca de 60 km de Belo Horizonte. Para calcular a melhor rota para a sua viagem, é só clicar aqui. Se você estiver em Belo Horizonte, o tempo médio de viagem até o Inhotim de carro é 1h30 e o estacionamento no Parque é gratuito. Agora, se você chegou de avião, pode alugar um carro ou pegar um táxi. Calcule 2h do Aeroporto de Confins até o Parque ou 1h30 partindo do Aeroporto da Pampulha. Outra boa notícia é que o Inhotim possui serviço gratuito de guarda-volumes para bolsas e malas.

    Você também pode ir de ônibus ou transfer para o Inhotim. A empresa Saritur tem uma linha que sai da Rodoviária de Belo Horizonte, localizada no centro da cidade, de terça-feira a domingo. Para conhecer os horários e valores do ônibus clique aqui. E a Belvitur, agência oficial de turismo e eventos do Inhotim, oferece transfer saindo de Belo Horizonte, da região da Savassi. Garanta seu transporte aqui.

    Onde ficar
    Pronto, agora que você já sabe como chegar, precisa decidir se ficará hospedado em Brumadinho ou em Belo Horizonte. O Inhotim possui uma área de visitação de 140 hectares, o que significa que não dá pra conhecer todo o Parque em apenas um dia. Claro que se você estiver em Belo Horizonte e tiver um dia livre, irá aproveitar a visita. Mas para você que está planejando uma viagem que tem o Inhotim como destino principal, o ideal é separar três dias para visitação. Assim, dá para caminhar, refletir e curtir a natureza sem pressa. Para conhecer as opções de hospedagens clique aqui.

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    08 de fevereiro de 2018

    Redação Inhotim


    artebrumadinhoeducaçãoinhotim

    Leitura: 7 min

    Esclareça suas dúvidas sobre o carnaval no Inhotim e prevenção contra febre amarela

    Esclareça suas dúvidas sobre o carnaval no Inhotim e prevenção contra febre amarela

    O carnaval está quase chegando e sempre surgem algumas dúvidas sobre o funcionamento do Inhotim, a programação e as condições para visitar o Instituto. Listamos aqui as perguntas mais frequentes que surgiram nos últimos dias, principalmente em relação à exigência do cartão de vacina garantindo a imunização contra a febre amarela para entrar no Inhotim. A medida foi tomada no dia 23 de janeiro como forma de proteger as pessoas e conscientizar os visitantes e as visitantes da importância de se vacinar contra a doença. Mas, se você já se vacinou, pode chegar sem medo que o carnaval vai ser só alegria! 

    Serviços
    Qual o horário de funcionamento e os preços nos dias de carnaval?
    O Inhotim estará aberto de sábado até a quarta-feira de Cinzas, das 9h30 às 17h30, sendo sábado, domingo, segunda e terça-feira R$ 44 a intera e na quarta-feira de Cinzas com entrada gratuita. Se quiser garantir seu bilhete online para evitar filas, clique aqui. 

    Quem tem direito a meia-entrada?
    A política de meia-entrada do Inhotim está sendo aplicada para idosos acima de 60 anos, pessoas com deficiência e um acompanhante, estudantes identificados, professores das redes formais pública e privada de ensino identificados, funcionários da Cemig, mediante apresentação de crachá da empresa, funcionários da Vale, mediante apresentação de crachá, e mais 3 dependentes, mediante apresentação do RG e da carteira da AMS (plano de saúde), assinantes do jornal Estado de Minas, portadores da ID Jovem e moradores de Brumadinho participantes do programa Nosso Inhotim.

    Qual a melhor forma de chegar no Inhotim?
    Existe um ônibus da empresa Saritur que sai diariamente às 8h15, da rodoviária de Belo Horizonte para o Inhotim. Durante todo o feriado, o ônibus retorna às 17h30. Também temos as vans que saem do Hotel Holiday Inn – R. Professor Moraes, 600, Funcionários – às 8h15, com retorno também às 17h30. Para solicitar o serviço, é necessário efetuar a reserva pelo telefone  (31) 99737-6366. Confira aqui os detalhes: inhot.im/comochegar  

    Qual a programação nos dias de carnaval?
    Durante o feriado, contaremos com a Visita temática sobre diversidade e representatividade na arte contemporânea, Visita Panorâmica, Estação Folia, Visita “Pelos jardins do Inhotim” e Ativação poética na obra “Piscina”. Confira todos os detalhes aqui.

    Dúvidas sobre a febre amarela
    Já houve casos de febre amarela no Inhotim?
    Não foi identificado nenhum caso de febre amarela no Instituto. O trabalho de prevenção feito pela equipe ambiental do Parque tem sido praticado desde meados de 2017, quando foram registrados os primeiros casos da doença em Minas Gerais. Além de ter realizado uma campanha de vacinação e divulgação de informações para funcionário e funcionárias, é feito o monitoramento diário de animais que habitam a região.  

    Se a pessoa tomou a vacina e não consegue encontrar o cartão, tem alguma alternativa?
    Ressaltamos que é muito importante a garantia da imunização. Caso você tenha certeza de que já tomou a vacina mas não consiga encontrar seu cartão, será possível entrar após a assinatura de um termo de compromisso confirmando sua imunização. 

    Se a pessoa tomou a vacina há mais de dez anos, precisa tomar novamente?
    Seguindo recomendação da Organização Mundial da Saúde, o Ministério da Saúde adotou os padrões internacionais da dose única. Ou seja: quem tomou uma dose da vacina da febre amarela, independente de quanto tempo tenha, está imunizado pelo resto da vida, e não precisa do reforço.

    Em caso de idosos,idosas, bebês de até 9 meses, gestantes e lactantes, o cartão de vacina também será cobrado?
    De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde de Minas Gerais, idosos acima dos 60 anos e gestantes devem ser avaliados por uma equipe de saúde em relação ao benefício e risco da vacinação, assim como mulheres que estejam amamentando e bebês com menos de seis meses. Caso seja decidido que não se deve tomar a vacina, pedimos a compreensão para que a visita ao Inhotim seja adiada, pela própria segurança destas pessoas.

    O comprovante também será cobrado do público estrangeiro?
    A exigência é válida para visitantes que venham de qualquer parte do Brasil ou do mundo. No caso do público estrangeiro, pedimos que comprovem a imunização e tragam o cartão de vacina de seus países de origem.

    Te desejamos uma ótima visita! 

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    Página 2 de 1312345...10...Última »