• EN
  • 18 de julho de 2014

    Redação Inhotim


    parceriaprojeto

    Leitura: 5 min

    Obrigado, Amigo!

    Todo mundo tem aquela pessoa com quem sempre pode contar. Seja um parente, um vizinho, um amigo de infância ou um colega de trabalho, é muito bom ter alguém que acredita em suas ideias, mostra para você outro ponto de vista, convida para um programa interessante ou compartilha das alegrias e desafios da vida ao seu lado.

    No próximo domingo, 20 de julho, é comemorado no Brasil o Dia do Amigo, e o Inhotim aproveita a data para agradecer a todos os participantes do programa Amigos do Inhotim. São eles que, por meio de doações, ajudam a fazer do parque esse lugar transformador que conquista os visitantes. Conheça a história de alguns deles e faça você também parte dessa iniciativa!

     

    Patrícia Schindler, Amiga do Inhotim desde 2011

    “Moramos em São Paulo e, apesar da distância, visitamos esse incrível lugar pelo menos uma vez por ano. É sempre uma experiência única! As obras, as exposições, os jardins, a interação da arte com a natureza, com o público e com as comunidades locais, e, finalmente, a dedicação genuína de todos os funcionários fazem do Inhotim uma grande fonte de inspiração!”

    Patrícia e a família em visita ao Instituto. Foto: arquivo pessoal

    Patrícia e a família em visita ao Instituto. Foto: Rossana Magri

    Artur Motta, Amigo do Inhotim desde 2012

    “Ser Amigo de Inhotim não é só uma honra e um prazer, mas também uma forma concreta de poder participar do sonho de “transformar pela beleza”. É especial poder difundir essa ideia e divulgar o quão maravilhoso o Inhotim é. Que sejamos mais!”

    Artur Motta posa para foto com amigos próximo à Galeria True Rouge. Foto: arquivo pessoal

    Artur Motta posa para foto com amigos próximo à Galeria True Rouge. Foto: arquivo pessoal

     Jacqueline Plass, Amiga do Inhotim desde 2011

    “Não existem palavras que possam abrigar todo o sentido da fundamental importância do Instituto Inhotim para o povo brasileiro, em todos os aspectos. O Inhotim traduz a esperança e um sentimento de renascença de fazer do Brasil um grande país. Esse lugar traz e trará, cada vez mais, muito orgulho a todos nós, brasileiros.”

    A obra "Beam Drop" (2008), de Chris Burden, foi o cenáro escolhido por Jacqueline Plass para registrar sua passagem pelo Instituto. Foto: arquivo pessoal

    A obra “Beam Drop” (2008), de Chris Burden, foi o cenáro escolhido por Jacqueline Plass para registrar sua passagem pelo Instituto. Foto: arquivo pessoal

    Paulo Tadeu Lott e Andréa Viggiano Gonçalves, Amigos do Inhotim desde 2012

    “É com muita alegria sempre renovamos nossa amizade com o Inhotim. Além do orgulho e da emoção por estarmos juntos mais um ano, os benefícios para os amigos são muito legais, como saber com antecedência dos eventos culturais promovidos no Instituto. Para nós, o Inhotim, apesar de seu alcance e sucesso internacionais, é um lugar de alma bem mineira e, como diz a música, ‘quem te conhece não esquece jamais’.”

    Paulo Tadeu e Andréa Viggiano  fazem uma pausa para almoçar no Restaurante Tamboril. Foto: arquivo pessoal

    Paulo Tadeu e Andréa Viggiano fazem uma pausa para almoçar no Restaurante Tamboril. Foto: arquivo pessoal

    Clique aqui para se tornar um Amigo do Inhotim.

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    16 de julho de 2014

    Redação Inhotim


    arteexposição

    Leitura: 7 min

    Outro olhar sobre a história da arte

    Outro olhar sobre a história da arte

    Desde 27 de junho, o Rio de Janeiro tornou-se palco da maior exposição internacional que a cidade já viu. Organizada pelos curadores Rodrigo Moura, diretor de arte e programas culturais do Inhotim, e Adriano Pedrosa, a mostra artevida pretende contar a história da arte a partir de referências que fogem dos grandes centros culturais. São cerca de 300 obras de 110 artistas da América do Sul, Leste Europeu, Oriente Médio, África e Ásia. Alguns deles, como os brasileiros Lygia Pape, Hélio Oiticica e Cildo Meireles, também podem ser vistos no Inhotim.

    O título da mostra não foi escolhido por acaso. Para o movimento neoconcretista, surgido no Rio de Janeiro dos anos 1950, a arte deveria estabelecer diálogos e tensões com aspectos da vida e do mundo. Essa postura foi fundamental para a formação da arte contemporânea brasileira. A exposição, em cartaz na Casa França-Brasil, na Biblioteca Parque Estadual e no Parque Lage, se estende também para o MAM Rio, a partir do próximo sábado, 19 de julho, com a abertura de seu segundo segmento. O Blog do Inhotim conversou com os curadores da artevida, que contaram um pouco mais sobre o projeto. Leia a seguir!

     

    Blog do Inhotim – A exposição reúne artistas de países do Sul global para oferecer outro olhar sobre a história da arte. Como esse recorte foi pensado?

    Adriano Pedrosa e Rodrigo Moura –A pesquisa em relação aos artistas já vem de vários anos. Estrangeiros ou brasileiros, muitos são profissionais com quem já trabalhamos. Os conjuntos e subconjuntos de obras foram eleitos a partir do conhecimento e da reflexão sobre esses trabalhos, mas pensando, sobretudo, em perspectivas brasileiras. Assim, na seção artevida (corpo), na Casa França-Brasil, surgem núcleos de obras brasileiras e estrangeiras a partir do Bicho, da Linha orgânica (ambos de Lygia Clark), do Tecelar (de Lygia Pape), do Parangolé (de Hélio Oiticica), gerando aproximações que revisam a abstração geométrica ortodoxa, sugerem uma forma orgânica e corporal de pensar o objeto e põem em relevo o corpo como ativador da experiência artística. Já na seção artevida (política), os núcleos temáticos são relacionados à ditadura, guerra, violência, eleições, censura, manifestações, trabalho, feminismos, racismo e buscam esse paralelo entre contextos aparentemente desconectados, mas que guardam alguma relação com o brasileiro.

    BI – Como as obras escolhidas se relacionam às narrativas hegemônicas da arte contemporânea?

    AP e RM – A exposição olha para a produção brasileira como matriz e filtro para pensar outras relações mais amplas, globais, entre diferentes contextos artísticos. Priorizamos esse diálogo com polos de produção que estão, de certa maneira, mais próximos de nós, por dividirmos uma história colonial e pós-colonial, ou uma história recente de regimes autoritários, ou, simplesmente, por estarem longe dos centros hegemônicos de produção. Há o desejo de desarmar um modelo de filiação que sempre passa pelo centro para legitimar sua produção. Não quer dizer que negamos nossas relações com a Europa Ocidental e os Estados Unidos, de forma alguma. Há, inclusive, artistas dessas regiões na exposição, mas, o que estamos propondo, são novos diálogos, que ainda estão por ser feitos. Se na primeira parte, que inauguramos na Casa França-Brasil no último mês, esse diálogo se dá mais pelo corpo, seja pela geometria, seja pelo autorretrato, na seção que será inaugurada no próximo sábado, no MAM Rio, ele se dá mais pela política. Isso não quer dizer uma evolução no tempo, mas uma diferença, uma modulação no enquadramento da curadoria.

    BI – Alguns nomes da mostra estão presentes no acervo do Inhotim, como Hélio Oiticica, Geta Bratescu e Hitoshi Nomura. Como a coleção do Instituto dialoga com essa proposta de ver a história da arte por outro ângulo?

    RM – De maneira muito importante, me parece. Como dizemos no statement curatorial da artevida, essa não é a exposição de uma tese, mas de muitas hipóteses. Essa representação polifônica é algo que aprendi na lida com a formação de acervo, em que isso acontece o tempo todo. No Inhotim, os artistas que você menciona tem um lugar importante, justamente porque encontram solo tão fértil no sentido dos diálogos com artistas brasileiros que são centrais na construção da narrativa do que o Inhotim significa como arte: Lygia Pape, Cildo Meireles e Hélio Oiticica, por exemplo, representados com obras tão importantes no nosso acervo. No Inhotim, recentemente fizemos alguns aprofundamentos em áreas que conhecíamos apenas superficialmente, como Leste Europeu e Japão, que ainda não foram inteiramente revelados, mas que começam a aparecer em exposições do Instituto. É o caso da mostra individual da romena Geta Bratescu, na Galeria Lago a partir de setembro, e Do Objeto ao Mundo – Coleção Inhotim, no Palácio das Artes em dezembro e no Itáu Cultural no ano que vem, quando vamos mostrar bastante material japonês que encontra grande ressonância com a arte produzida no Brasil no mesmo período.

    Ficou interessado? Então se programe! A artevida fica em exibição até 21 de setembro de 2014.

    Rodrigo Moura e Adriano Pedrosa

    Rodrigo Moura (esq.) e Adriano Pedrosa (dir.) no Parque Lage, onde acontece parte da exposição. Foto: Leo Aversa

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    15 de julho de 2014

    Redação Inhotim


    arteeducaçãoinhotim escolaprogramação cultural

    Leitura: 3 min

    Inhotim Escola debate o tema História

    Inhotim Escola debate o tema História

    Na terça-feira, 22/07, o Inhotim Escola encerra o Seminário Espaço, Trabalho e História com a realização de sua última mesa de debates, às 19h30, no Museu Histórico Abílio Barreto, em Belo Horizonte. A artista Adriana Varejão, a historiadora Norma Côrtes e o dramaturgo Eduardo Moreira se reúnem para discutir o tema História, em suas diversas perspectivas. Inicialmente marcada para 24/05, a conversa foi reagendada, pois dificuldades climáticas impediram que participantes chegassem a Belo Horizonte.

    A mesa será mediada pela curadora do Inhotim Júlia Rebouças e irá discutir questões contemporâneas e suas conexões com o universo do Inhotim. Vale lembrar que o seminário não tem enfoque acadêmico, trazendo abordagens subjetivas e críticas do campo de atuação de cada participante. O evento dá continuidade ao Seminário Natureza, Tempo e Poesia, realizado no lançamento do Inhotim Escola, em 2013. O Museu Histórico Abílio Barreto fica na Avenida Prudente de Morais, 202, no bairro Cidade Jardim. A entrada é gratuita, por ordem de chegada. A capacidade do teatro é de 100 pessoas. Confira mais informações sobre os convidados:

    Adriana Varejão é carioca e elegeu a pintura como principal suporte de sua produção. Realizou sua primeira exposição em 1988, na Galeria Thomas Cohn, no Rio de Janeiro. Nos trabalhos reunidos no Inhotim, é possível acompanhar a diversidade de interesses de sua obra e a variedade de fontes de sua pesquisa. Por meio de pinturas, esculturas e instalações, a artista vem discutindo a história brasileira, sobretudo a formação de seu povo.

    Norma Côrtes é historiadora formada pela PUC Rio, com pós-doutorado em História da Cultura na USP. É professora da UFRJ, no campo da História Social e da Cultura, que investiga, entre outros, a forma como são compreendidos os fenômenos históricos. Na mesa, ela ajuda a fazer um contraponto entre as narrativas hegemônicas e marginalizadas dos acontecimentos do passado.

    Eduardo Moreira nasceu no Rio de Janeiro, mas mudou-se para Belo Horizonte aos 13 anos. É dramaturgo e fundador do Grupo Galpão, e participou de todas as montagens da trupe como ator. No cinema, atuou em produções nacionais, como O Ano que meus Pais saíram de férias (2006) e Batismo de Sangue (2007). No Inhotim Escola, ele fala da história como “estória” e suas narrativas fictícias.

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    12 de julho de 2014

    Redação Inhotim


    artebrumadinhocomunidadeeducaçãolaboratório inhotim

    Leitura: 4 min

    Laboratório Inhotim viaja para Nova York

    Laboratório Inhotim viaja para Nova York

    Projeto educativo mais antigo do Instituto, o Laboratório Inhotim está de malas prontas para conhecer uma das cidades mais vibrantes do mundo. Como parte das atividades do programa, nove alunos seguem para Nova York na próxima quinta-feira, 17/07, para uma experiência de observação e aprendizado, que inclui visitas a museus, espaços culturais, eventos e ateliês de artistas. “O Inhotim é um espaço que propõe diálogos internacionais por meio de seus acervos. Temos obras de arte e espécies botânicas de diversos lugares do mundo. No Laboratório Inhotim, também buscamos essa troca. Conhecer novos lugares e pessoas é ampliar horizontes, ajuda a entender nosso lugar no mundo, gera empoderamento”, reflete Maria Eugênia Salcedo, gerente de educação transversal do Inhotim.

    Um dos pontos altos da agenda do grupo é uma festa de rua organizada pelo New Museum, museu dedicado exclusivamente à arte contemporânea. A programação do evento, batizado de New Museum Block Party, inclui performances e workshops, gratuitos para crianças e adultos e inspirados nas exposições em cartaz na instituição. Parte da produção da Block Party fica por conta dos jovens dos projetos educativos do museu. A ideia é que, por meio dessa experiência, os participantes do Laboratório Inhotim possam liderar a organização de um festival em Brumadinho, no mês de novembro, propondo uma nova relação com os espaços da cidade.

    Millene Raissa Paraguai, 14 anos, é aluna da Escola Municipal Maria Solano Menezes Diniz, no distrito de Tejuco. Ela aguarda ansiosa a hora de embarcar pela primeira vez em um avião. “Vou levar essa experiência para a vida toda. Fico muito alegre em participar do Laboratório Inhotim. Hoje, quando vou ao parque, tenho um olhar diferente sobre a arte e também sobre a vida”, revela a adolescente. Com relação à festa, ela conta que quer prestar atenção em todos os detalhes para ver que ideias podem ser aproveitadas no evento de novembro. “Cada realidade é diferente, o que dá certo lá, pode não dar aqui”, avalia.

    O Laboratório Inhotim é um programa de formação por meio da arte voltado para alunos de 12 a 16 anos da rede pública de Brumadinho. Ao realizar pesquisas e experimentações, os participantes desenvolvem um olhar crítico e reflexivo não apenas para o universo artístico, mas para todo o contexto em que estão inseridos, tornando-se agentes ativos em suas comunidades. Cerca de 200 jovens já passaram pelo Laboratório Inhotim desde seu início, em 2007. Além de Nova York, o projeto já levou jovens para Londres e Buenos Aires.

    Ficou curioso para saber como será essa jornada? Durante a viagem, o Blog do Inhotim vai postar depoimentos e relatos dos participantes e educadores que vão para Nova York. Não deixe de conferir!

    Se você quer ajudar o Instituto a realizar projetos como esse, clique aqui e torne-se um Amigo do Inhotim.

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    10 de julho de 2014

    Redação Inhotim


    arquiteturaarteeducaçãoyayoi kusama

    Leitura: 3 min

    Arquitetura premiada

    Arquitetura premiada

    Além de jardins e obras de arte que chamam a atenção de todo o mundo, o Inhotim também tem se consolidado como uma vitrine da arquitetura contemporânea brasileira. Prova disso é que o Centro de Educação e Cultura Burle Marx, onde está instalada a obra Narcissus Garden Inhotim (2009), da artista Yayoi Kusama, foi indicado ao 1º Prêmio das Américas Mies Crown Hall (MCHAP), do Instituto de Tecnologia de Illinois, nos Estados Unidos. Entre os 225 projetos selecionados, 36 foram destacados na categoria “excepcional”, incluindo o prédio do Instituto, além de importantes nomes da arquitetura das Américas, como Herzog & de Meuron, Gehry Partners e Steven Holl Architects.

    Essa não e a primeira vez que o edifício concorre a uma premiação. Criado pelo escritório mineiro Arquitetos Associados para o Inhotim e inaugurado em 2009, o Centro de Educação e Cultura Burle Marx foi ganhador da categoria “Edifícios Institucionais”, do 3º prêmio O Melhor da Arquitetura, da revista Arquitetura & Construção (Editora Abril), indicado ao 9º Prêmio Jovens Arquitetos 2009 do IAB SP; à 12ª premiação de arquitetura IAB MG, em 2010, entre outros.

    Essencialmente um espaço de trabalho e conhecimento, o Centro de Educação e Cultura Burle Marx é a sede dos programas educativos do Instituto, que atuam nos eixos Arte e Educação e Educação Ambiental. Com 1.704 m², o edifício contempla uma biblioteca e ateliês para a realização de workshops, além do Teatro Inhotim, com capacidade para 214 pessoas, e o Café do Teatro, ótimo para tomar um espresso e experimentar um bom pão de queijo.

    No topo do prédio, está a versão de uma das obras mais emblemáticas da japonesa Yayoi Kusama. Originalmente apresentada durante a 33ª Bienal de Veneza, em uma participação extraoficial da artista no evento, Narcissus Garden Inhotim (2009) reúne 500 esferas de aço inoxidável, que flutuam sobre o espelho d’água da cobertura. O vento e outros fatores externos criam novas formas para instalação, que reflete o céu, a água e a vegetação do entorno, além do próprio espectador, criando, nas palavras de Kusama, “um tapete cinético”.

    E você, já conhece o prédio e a obra? Conte para a gente sua experiência deixando um comentário abaixo.

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    Página 30 de 43« Primeira...1020...2829303132...40...Última »