Leitura: 5 min

O universo particular das plantas epífitas no Inhotim  

O universo particular das plantas epífitas no Inhotim  

Entrar em um lugar onde cerca de 2.500 plantas de várias partes do mundo convivem em harmonia é sentir o cheiro, as cores e a força da natureza. No epifitário do Inhotim, é possível ver por todos os lados espécies como orquídeas, bromélias, cactos tropicais e samambaias epífitas crescendo aos cuidados dos profissionais da botânica. O espaço é dedicado a conservação de espécies de resgate e de manutenção do acervo botânico do Instituto e faz parte do roteiro da visita mensal mediada pelo engenheiro agrônomo do Inhotim, Juliano Borin.

As plantas epífitas são aquelas que precisam de outras para suporte, como o tronco de uma árvore . O epifitário do Inhotim guarda exemplares que vieram de várias partes do Brasil e do mundo. De acordo com o engenheiro agrônomo  do Instituto Juliano Borin, há espécies que foram compradas e outras que foram resgatadas, sendo o maior desafio da equipe fazer com que nesse espaço seja possível a vida de plantas com exigências tão diferentes.

A dinâmica no epifitário é feita para que esse cultivo de variedades seja feito da melhor forma. Para isso, um sistema de irrigação específico de nebulização que funciona de forma localizada diariamente deixa as raízes sempre devidamente hidratadas. “ Esse sistema se chama microaspersão. Ele tenta imitar uma nevoa, como se fosse uma bruma que vai molhando as epífitas. Depois, fazemos a complementação com as mangueiras poupando as flores e focando sempre na raiz”, explica Borin. Segundo ele, o restante da manutenção é feito por meio da retirada das raízes mortas, das folhas que estão com fungos e do botão floral das plantas que estão com baixo desenvolvimento, fazendo com que elas poupem energia.

No epifitário, as plantas são remanejadas de acordo com a necessidade de cada uma delas. Foto: Rossana Magri.

No epifitário, as plantas são remanejadas de acordo com a necessidade de cada uma delas. Foto: Rossana Magri.

De acordo com Borin, algumas espécies já estão adaptadas, como é o caso da orquídea Cattleya que, por ser de Minas Gerais, é acostumada com o clima da região. “Mas aqui existem orquídeas da Tailândia, como as Vandas, que não gostam de frio, estão acostumadas ao clima constantemente quente”. Para contornar essa situação, os jardineiros são treinados a desenvolver a sensibilidade de entender essa necessidade específica de cada uma. Dessa forma, elas são distribuídas no epifitário de acordo com o que precisam: nos cantos, por exemplo -onde a água cai menos – ficam aquelas que precisam de menos umidade. Já no alto, ficam as Vandas, onde o clima é mais aquecido. Com a atenção e o cuidado da equipe de jardinagem, elas florescem e se fortalecem a cada dia.

Durante a visita conduzida por Borin,  você terá a chance de conhecer espécies que não estão no jardim do Inhotim, além de entender mais sobre a dinâmica de um lugar onde plantas de diferentes partes do mundo se encontram.  Além disso, o passeio percorre outros espaços de cultivo do Inhotim, para que você entenda como é possível manter 42 hectares de jardins por aqui.

Participe!

Pelos Jardins do Inhotim
Quando: 7 de abril, 12 de maio, 9 de junho, 14 de julho, 11 de agosto, 15 de setembr, 6 de outubro, 10 de novembro, 15 de dezembro. Sempre aos sábados.
Horário: 14h30
Onde: saída da Recepção
Preço: R$ 40



voltar
  • Twitter
  • Facebook
  • Google +