Leitura: 4 min

Escola de Cordas Inhotim dá início ao 5º ciclo

Escola de Cordas Inhotim dá início ao 5º ciclo

Três vezes por semana, Flander Cristian Souza Silva, 15 anos, sai da cidade de Sarzedo, onde mora, para frequentar os ensaios da Escola de Cordas Inhotim. O menino ficou sabendo do projeto do Instituto por uma prima e resolveu procurar as formas de participar, já que sonhava aprender viola. “Eu sempre procurava por aulas abertas e nunca conseguia. Quando comecei a frequentar os ensaios aqui no Inhotim, eu percebi que minha vontade de tocar em uma orquestra era possível”, relembra. Neste sábado, os alunos do projeto deram início a mais uma temporada de aulas junto ao maestro César Timóteo.

Em funcionamento ininterrupto desde a sua implantação em abril de 2012, a Escola de Cordas conta com o patrocínio exclusivo da Vale desde o início e dá a 90 jovens a oportunidade de uma formação musical gratuita em instrumentos sinfônicos de corda (violino, violoncelo, viola e contrabaixo acústico) para crianças e jovens. Eles são prioritariamente estudantes da rede pública de ensino e residentes de Brumadinho e municípios ao redor. No sábado, os alunos estiveram no Parque com seus familiares para serem apresentados ao plano didático de 2017.

Durante os encontros semanais com os jovens, o maestro busca fazer da música um compromisso e um prazer na vida dos integrantes do projeto. “A convivência com esses jovens alunos revela o quanto são talentosos e as possibilidades de desenvolvimento artístico e musical que lhes espera”, afirma Timóteo. De acordo com o ele, os alunos chegam, em sua maioria, ainda pré-adolescentes, sendo possível acompanhar de perto o amadurecimento deles ao longo do ano. “A música estudada, pensada, analisada, sentida e percebida rouba-lhes as cenas tristes da realidade que muitos deles enfrentam na vida pessoal. Para quem não tinha caminho, a música se torna uma possibilidade, um sonho, um objetivo, um alvo. Pouco a pouco passam a se sentir artistas dentro de um mundo criado e idealizado pelos sons, melodias e acordes antes desconhecidos”, analisa.

Os encontros acontecem no Centro Educativo Burle Marx, possibilitando que o grupo tenha um contato direto com os acervos do Inhotim e com toda a programação desenvolvido no Instituto. Para Flander, essa é também uma chance de trabalhar a sensibilidade não só no campo musical. “Aqui eu estou sempre descobrindo coisas novas”, diz. A colega Isabella Soares, de 14 anos, integra o projeto desde o primeiro ano e é apaixonada pelo violino. Segundo ela, existe uma relação direta entre as composições da Escola de Cordas com os jardins do Instituto. “As músicas têm muito a ver com a natureza do Inhotim, elas transmitem para mim a mesma paz que encontramos aqui”, conta.

Se você estiver caminhando pelo Centro Educativo Burle Marx nas quartas, quintas e sextas e escutar o som dos instrumentos, sinta-se convidado a assistir um ensaio e conhecer de perto a Escola de Cordas Inhotim.



voltar
  • Twitter
  • Facebook
  • Google +