• EN
  • 02 de maio de 2017

    Redação Inhotim


    artecomunidadeeducaçãoprogramação cultural

    Leitura: 3 min

    Inhotim é destaque em evento na Embaixada Brasileira em Washington 

    Inhotim é destaque em evento na Embaixada Brasileira em Washington 

    No dia 6 de maio, moradores e turistas que estiverem em Washington D.C. (EUA) poderão conhecer um pouco mais sobre o Inhotim. A convite da Embaixada do Brasil em Washington e do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), o Instituto participa da 10ª edição do Passport DC.

    O Passaport DC acontece durante todo o mês de maio e realiza diversas atividades que incentivam moradores e visitantes a explorarem a cidade, conhecendo um pouco mais as diversas culturas que integram a capital americana. O evento conta com festivais de rua, performances, exposições, oficinas e abre as portas das embaixadas para que o público possa conhecer os prédios históricos onde estão localizadas. No total, são 70 embaixadas participantes, além de mais de 40 instituições culturais da capital americana.

    No dia 6 de maio, acontece o Around the World Embassy Tour, dia anual de visitação às embaixadas com sede na capital dos Estados Unidos. Das 10h às 16h, são esperados mais de 6 mil visitantes, que terão a oportunidade de visitar a Residência Oficial do Embaixador Brasileiro em Washington e conhecer mais sobre o Inhotim, um destino cultural de interesse mundial.

    A ampliação da presença internacional do Instituto é um dos desdobramentos do projeto “Inhotim: Mudança Global”, realizado em parceria com o BID desde 2015, e que visa incentivar ações de mobilização relacionadas às mudanças climáticas, além do fortalecimento institucional do Inhotim.

    Exposição na sede do BID em julho
    Durante o Passport DC, também será comunicada para o público de Washington a próxima iniciativa do Inhotim na cidade, a exposição “Inhotim: At the Crossroads of Glocal Change”, com abertura agendada para 18 de julho. A mostra ocupa por dois meses a galeria localizada na sede do BID em Washington, e vai apresentar obras de arte da coleção Inhotim e experiências visuais e sonoras que remetem aos jardins e paisagens do Instituto, compondo uma narrativa que busca revelar um pouco do que é o Inhotim para o público internacional.

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    19 de abril de 2017

    Redação Inhotim


    artearte; literatura; biblioteca; inhotim; visita

    Leitura: 5 min

    Cinco obras raras que você encontra na Biblioteca Inhotim

    Cinco obras raras que você encontra na Biblioteca Inhotim

    Você já conhece a Biblioteca do Inhotim? O espaço fica no Centro Educativo Burle Marx, na rota rosa do mapa, e foi inaugurada no ano de 2009 para uso dos colaboradores da instituição e de seus visitantes. É um espaço destinado a guarda, promoção e acesso à informação. Com um acervo que contempla obras sobre arte, arquitetura, meio ambiente e educação, a biblioteca pode ser usada para pesquisas e leituras durante a sua visita ao Parque. Separamos uma lista com cinco obras raras para te inspirar a se aventurar por essas prateleiras:

    Materiais Espaciais Tunga: Em novembro de 2007, a Cosac Naify lançou a Caixa Tunga, um conjunto formado por seis livros em diferentes formatos e um cartaz, dedicados a registrar parte significativa dos projetos de Tunga desde 1990. A Caixa Tunga não está à venda, a editora doou os 500 exemplares impressos para bibliotecas, universidades, museus e instituições culturais nacionais e estrangeiras. Fazem parte da caixa os títulos “Encarnações Miméticas: Tunga”, um catálogo com imagens fotográficas das performances do artista que envolviam a escultura do artista plástico e sua obra ”A Bela e a Fera”; “Tunga: A Prole do Bebê”, catálogo com fotografias e pinturas sobre performances realizadas e expostas em diversos locais como Nova York, Rio de Janeiro e Veneza entre os anos de 2001 e 2002; “T. Tunga”, catálogo que retrata as performances que o artista plástico Tunga participou em Ortolândia, organizado por Marcia X e Ricardo Ventura, na ocupação de casas prestes a serem destruídas; “Tunga: True Rouge”, catálogo que registra as performances realizadas em vários locais e anos diferentes sobre a instalação ”True Rouge”; “Tunga: olho por olho”, catálogo que traz fotografias, pinturas e textos da performance e exposição da obra ”Olho por olho”; e “Tunga: Lúcido Nigredo”, catálogo com fotografias e pinturas sobre performances realizadas e expostas em diversos locais, como Coreia do Sul, Rio de Janeiro e Buenos Aires, entre os anos de 1998 e 2001; o sétimo item do box é o cartaz À la lumière des deux mondes, referente a obra do artista que ficou em exposição temporária no Museu do Louvre em 2005.

    Buenos Aires Tour: O material especial do artista Jorge Macchi traz 8 itinerários que reproduzem a trama das linhas formadas por um vidro quebrado sobre o mapa da cidade. Ao longo das 8 linhas, foram escolhidos 46 pontos de interesse, em que o guia fornece informações escritas, fotográficas e sonoras. Quem observa o material pode notar as ligações estabelecidas entre diferentes pontos através de imagens que se repetem em diferentes partes da cidade.

    Materiais Especiais Hélio Oiticica: Nesta coleção, estão conteúdos relacionados à Exposição dos Parangolés Originais da Performance que Hélio Oiticica realizou no Recife em 23 de julho de 1979. A caixa contém placas de papelão costuradas com fotografias dos tecidos utilizados para a intervenção, além de cartas que retratam conversas sobre a reprodução da performance ”Parangolés” em Londres e no Festival de Pamplona. Também integram a caixa um CD com a trilha sonora utilizada na performance e um catálogo retratando a exposição dos ”Parangolés” em Recife (1979).

    Cildo Meireles  (Artes plásticas brasileiras): O livro traz um estudo sobre a vida e a obra de Cildo Meireles, um dos maiores pintores e artistas plásticos brasileiros do século XX. Essa publicação não é mais encontrada no mercado literário.

    Lygia Clark – Obra-Trajeto: É o primeiro estudo sistemático publicado em português sobre Lygia Clark, um dos expoentes da geração de concretistas e neoconcretistas dos anos 1950. Ao realizar um minucioso estudo sobre a vida e obra da artista, Maria Alice Milliet compõe um painel da história da arte brasileira do pós-guerra, no seu permanente diálogo entre a apropriação da cultura européia e norte-americana e as possibilidades de produzir uma arte nacional.

    Conheça a Biblioteca do Inhotim!
    Ela abre de segunda (para funcionários) a sábado, das 9h às 17h.

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    11 de abril de 2017

    Redação Inhotim


    artebrumadinhodia do trabalhadordia do trabalhoferiadogastronomiainhotimminas geraissemana santatiradentesturismoviagem

    Leitura: 4 min

    9 dicas para aproveitar os feriados no Inhotim

    9 dicas para aproveitar os feriados  no Inhotim

    Um feriado é sempre um bom motivo para visitar o Inhotim. Com mais tempo livre, você pode optar por ir mais dias ao Instituto e conhecer o 140 hectares com calma, aproveitando para descansar.  Durante os recessos, o Inhotim normalmente está aberto das 9h30 às 17h30. Preparamos uma lista com algumas dicas que vão te ajudar a planejar e aproveitar sua viagem:

    1- Compre seu ingresso online. Essa é uma boa forma de não perder tempo na fila. Se você for visitar o Inhotim por mais de um dia, vale a pena dar uma olhada nas opções de passaporte, com preços promocionais.

    2- Escolha o melhor transporte. O acesso ao Inhotim pode ser feito de carro ou de van e ônibus para quem está em Belo Horizonte. As vans saem do Hotel Holiday Inn (R. Professor Moraes 600, Bairro Funcionários), em todos os dias do feriado, com saída às 8h15 e retorno às 17h30. O valor da van é de R$ 66, incluindo ida e volta. Já os ônibus partem da rodoviária de Belo Horizonte (Praça Rio Branco, 100, Centro – plataforma F2), com saída também às 8h15. O preço é de R$ 36,05 a ida e R$ 32,50 a volta.

    3- Use roupas e calçados confortáveis. São 140 hectares de visitação para serem explorados, 23 galerias e 7 jardins temáticos. Não se esqueça também do protetor solar e da garrafinha de água para se hidratar sempre.

    4- Conheça nossas visitas gratuitas. O Inhotim oferece, durante todos os feriados do ano, dois passeios mediados que são uma chance de conhecer melhor os acervos botânico e artístico do Instituto. A Visita Temática acontece às 10h30 tendo cada mês um tema diferente. Já a Visita Panorâmica sai em dois momentos, às 11h e às 14h, dando ao visitante uma visão geral do Parque.

    5- Vá à Estação Educativa para Visitantes. Localizada no Centro de Educação e Cultura Burle Marx, na rota rosa do mapa, o local é um ponto de encontro entre visitantes e educadores, onde você pode pedir auxílio para montar o seu roteiro e ainda se informar sobre a programação do Instituto.

    6- Confira a programação mensal. No site do Inhotim, você pode conferir, de acordo com o dia da sua visita, se quer participar de alguma atividade.

    7- Baixe o Aplicativo Inhotim. Ele está disponível para Android e iOS. A ferramenta amplia as possibilidades do visitante, seja ajudando a entender melhor os acervos, seja facilitando a localização ou informando sobre as atividades oferecidas no Parque.

    8- Garanta suas lembrancinhas. Os acervos do Inhotim inspiram as coleções da nossa loja, que tem produtos desenvolvidos para crianças e adultos. Tudo para que você possa levar pra casa o gostinho do Inhotim e instigar os seus amigos a vivenciarem a visita ao Parque.

    9- Capriche nas fotos. O Inhotim é um lugar inspirador e os bons momentos merecem ser registrados. Compartilhe essas memórias com a gente usando #SintaInhotim. Aliás, já segue o nosso Instagram?

    Boa visita!

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    23 de março de 2017

    Redação Inhotim


    inhotimmeio ambienteprogramação cultural

    Leitura: 4 min

    As plantas que vivem nas águas do Inhotim

    As plantas que vivem nas águas do Inhotim

    As macrófitas, popularmente conhecidas como plantas aquáticas, têm importantes propriedades no funcionamento do ecossistema. Aqui no Inhotim, elas podem ser vistas principalmente no Jardim Veredas e na Estufa Equatorial. Uma importante característica das macrófitas é a ligação que elas estabelecem entre o sistema aquático e os ambientes terrestres que as cercam. Além de serem fonte de alimento para muitos peixes, elas fazem parte da alimentação de mamíferos que gostam de ficar em ambientes úmidos, como as capivaras. Essas plantas são abrigo para pequenos animais que vivem na água. Conheça um pouco mais sobre a alface-d’água, a aguapé e a orelha-de-onça, plantas que crescem nas águas do Inhotim:

    – A alface-d’água (Pistia stratiotes) é uma espécie encontrada em rios e lagoas ricas em matéria orgânica. Ela vegeta em todo tipo de água doce, seja pura, barrenta, poluída ou parada. Essa espécie ocorre nos biomas de Floresta Amazônica, Caatinga, Cerrado, Mata Atlântica e Pantanal. Outra propriedade da Pistia é seu uso como removedor de óleos e graxas de tecidos. Para usá-la dessa forma, é preciso deixar a planta alguns dias dentro de um balde com água, para liberarem o princípio acre, e depois esfregá-las no tecido. As raízes, após cozidas, também constituem uma boa forragem para porcos. Aqui no Inhotim, elas compõem a bonita paisagem do Jardim Veredas.

    A alface- d´água pode ser vista no Jardim Veredas. Foto: William Gomes.

    A alface- d´água pode ser vista no Jardim Veredas. Foto: William Gomes.

    – A aguapé (Eichhornea azurea) é uma planta aquática fixa nativa e com ampla distribuição em território brasileiro. É comum vê-la formando um tapete verde no espelho d’água dos lugares onde habita, proporcionando a proliferação de uma grande quantidade de invertebrados. Uma de suas principais vantagens é agir como um filtro natural, já que é capaz de incorporar em seus tecidos uma grande quantidade de nutrientes que atuam sobre as moléculas tóxicas de águas poluídas, conseguindo absorver até mesmo metais pesados, como mercúrio, cádmio e níquel. Aqui no Inhotim, elas são cultivadas na Estufa Equatorial e no Jardim Veredas.

    20171603_Gerais_ William Gomes-1039

    A aguapé é cultivada também na Estufa Equatorial do Inhotim. Foto: William Gomes.

    – A orelha-de-onça (Salvinia auriculata) é uma planta aquática flutuante livre muito utilizada para a purificação e oxigenação da água. Além disso, contribui como lugar de desova, abrigo e hábitat para organismos aquáticos e como alimento de capivara, insetos, caramujos, aves e peixes. Onde há essa plantinha, há boa qualidade de água. Você pode ver de perto a orelha-de-onça no pequeno lago do Jardim Veredas e no cultivo da Estufa Equatorial do Inhotim.

    aquaticas (1)

    A orelha-de-onça é uma planta muito usada na purificação de águas poluídas. Foto: Willy Silva

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    13 de março de 2017

    Redação Inhotim


    Leitura: 4 min

    Escola de Cordas Inhotim dá início ao 5º ciclo

    Escola de Cordas Inhotim dá início ao 5º ciclo

    Três vezes por semana, Flander Cristian Souza Silva, 15 anos, sai da cidade de Sarzedo, onde mora, para frequentar os ensaios da Escola de Cordas Inhotim. O menino ficou sabendo do projeto do Instituto por uma prima e resolveu procurar as formas de participar, já que sonhava aprender viola. “Eu sempre procurava por aulas abertas e nunca conseguia. Quando comecei a frequentar os ensaios aqui no Inhotim, eu percebi que minha vontade de tocar em uma orquestra era possível”, relembra. Neste sábado, os alunos do projeto deram início a mais uma temporada de aulas junto ao maestro César Timóteo.

    Em funcionamento ininterrupto desde a sua implantação em abril de 2012, a Escola de Cordas conta com o patrocínio exclusivo da Vale desde o início e dá a 90 jovens a oportunidade de uma formação musical gratuita em instrumentos sinfônicos de corda (violino, violoncelo, viola e contrabaixo acústico) para crianças e jovens. Eles são prioritariamente estudantes da rede pública de ensino e residentes de Brumadinho e municípios ao redor. No sábado, os alunos estiveram no Parque com seus familiares para serem apresentados ao plano didático de 2017.

    Durante os encontros semanais com os jovens, o maestro busca fazer da música um compromisso e um prazer na vida dos integrantes do projeto. “A convivência com esses jovens alunos revela o quanto são talentosos e as possibilidades de desenvolvimento artístico e musical que lhes espera”, afirma Timóteo. De acordo com o ele, os alunos chegam, em sua maioria, ainda pré-adolescentes, sendo possível acompanhar de perto o amadurecimento deles ao longo do ano. “A música estudada, pensada, analisada, sentida e percebida rouba-lhes as cenas tristes da realidade que muitos deles enfrentam na vida pessoal. Para quem não tinha caminho, a música se torna uma possibilidade, um sonho, um objetivo, um alvo. Pouco a pouco passam a se sentir artistas dentro de um mundo criado e idealizado pelos sons, melodias e acordes antes desconhecidos”, analisa.

    Os encontros acontecem no Centro Educativo Burle Marx, possibilitando que o grupo tenha um contato direto com os acervos do Inhotim e com toda a programação desenvolvido no Instituto. Para Flander, essa é também uma chance de trabalhar a sensibilidade não só no campo musical. “Aqui eu estou sempre descobrindo coisas novas”, diz. A colega Isabella Soares, de 14 anos, integra o projeto desde o primeiro ano e é apaixonada pelo violino. Segundo ela, existe uma relação direta entre as composições da Escola de Cordas com os jardins do Instituto. “As músicas têm muito a ver com a natureza do Inhotim, elas transmitem para mim a mesma paz que encontramos aqui”, conta.

    Se você estiver caminhando pelo Centro Educativo Burle Marx nas quartas, quintas e sextas e escutar o som dos instrumentos, sinta-se convidado a assistir um ensaio e conhecer de perto a Escola de Cordas Inhotim.

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    Página 3 de 3012345...102030...Última »